Empurre a sua vaca e dê o seu melhor!

Empurre a sua vaca e dê o seu melhor!

Você já ouviu a história do Monge e a Vaca? Eu a li há muito tempo atrás e sempre que acho que minha vida precisa de uma guinada, um novo rumo, volto a lê-la em busca de inspiração.

Conhecendo-a ou não, confira a história abaixo e, depois que lê-la, quero bater um papo com você sobre ela e dizer o que ela tem a ver com o seu objetivo de ser aprovado em um concurso!

O monge e a vaca

Um monge e seu discípulo seguiam caminho pela montanha, em direção a um mosteiro onde permaneceriam por um ano. Com a aproximação da noite, procuraram um lugar onde pudessem pernoitar. Logo adiante avistaram uma casinha isolada, simples e rústica, onde morava uma família muito pobre. O monge pediu à família um quarto onde pudessem dormir e seguir viagem na manhã seguinte.

O dono da casa, muito solícito, ofereceu um pequeno quarto disponível, mas se desculpou por não ter cama nem nenhum tipo de conforto. Era apenas um chão forrado de palha. O monge disse que só aquilo já estava ótimo. Na manhã seguinte foram tomar o desjejum. À mesa havia apenas um pouco de leite, queijo e um mingau ralo. Novamente o dono casa se desculpou por não poder oferecer uma refeição melhor e o monge respondeu dizendo que, para eles, aquilo era um banquete. Enquanto comiam, o monge perguntou ao dono da casa:

– Neste lugar não há sinais de comércio ou trabalho. De onde vocês tiram seu sustento?

O dono da casa respondeu:

– Ah, temos aqui atrás da casa uma vaquinha milagrosa. Ela nos dá muito leite todos os dias e, com isso, conseguimos fazer queijo, coalhada e mingau. E dessa forma vamos sobrevivendo.

O monge agradeceu a hospitalidade e, junto com o discípulo, seguiram viagem. Haviam andado poucos metros quando o monge parou, deu meia-volta, contornou a casa e soltou a vaquinha do pasto. Levou-a até o precipício e, então, atirou o animal lá de cima. O discípulo, espantado e revoltado com o mestre, exclamou que ele havia acabado com a única fonte de sustento da família que os hospedaram tão gentilmente. O mestre não disse mais nada e, em silêncio, rumaram para o mosteiro.

Passado um ano, o monge e seu discípulo resolveram retornar à cidade e, para isso, teriam que percorrer o mesmo caminho por onde vieram. Descendo as encostas da montanha e com a noite se aproximando, resolveram procurar um lugar para passar a noite. Foram, então, em direção à casinha rústica da família que os hospedara antes. Chegando lá, viram que o lugar estava diferente. A casa da qual lembravam não existia mais. No lugar, um belo casarão, bem pintado e decorado despontava na paisagem, juntamente com diversas carroças e um agradável jardim.

Chamaram pelo dono da casa e este os veio receber. Era o mesmo homem de antes, porém estava mais bem nutrido, feliz e suas roupas não eram os trapos de antes. Acolheu os monges com um largo sorriso e ofereceu-lhes um quarto que, desta vez, era maior, mobiliado e com duas camas confortáveis. Pela manhã, no café, serviram suco, frutas, pães, queijos, ovos e outras guloseimas. Enquanto comiam, o monge perguntou ao dono da casa:

– Neste lugar não há sinais de comércio ou trabalho. De onde vocês tiram todo seu sustento?

O dono da casa respondeu:

– Ah, ocorreu uma tragédia conosco há um ano. Nossa vaquinha leiteira, única fonte de sustento da família, se soltou do pasto e caiu no precipício. Entramos em grande aflição e nos vimos obrigados a procurar outras formas de nos manter. Assim, aprendemos a plantar e cultivar diversas frutas e hortaliças, começamos a fazer produtos próprios e comercializá-los lá na cidade. Assim, graças à perda da nossa vaquinha, hoje temos uma vida muito melhor do que antes.

Empurrar a vaca para o precipício significa sair da nossa zona de conforto.

Empurrar a vaca para o precipício significa não se conformar mais com a vida que se vive e tomar uma ação.

Empurrar a vaca para o precipício significa se desestabilizar para buscar uma nova sintonia.

Não estou dizendo que você precisa literalmente se desvencilhar completamente as coisas que te impedem de estudar porque muitas delas são necessárias. É preciso um emprego para ter fonte de renda para se sustentar e sustentar a família. É preciso um tempo de lazer com que você ama e com sua família.

Mas, empurrar a sua vaca é não se conformar com a situação que você tem hoje.

De repente, como aquela família da história, você tem uma “vida mais ou menos” e acaba se prendendo demais a isso e até se conformando.

A família da história passou por um momento de crise, de grande instabilidade, mas isso foi o que fez com que eles tomassem alguma atitude.

Talvez a sua vaca seja alguma desculpa que você dá a si mesmo: falta de tempo, de dinheiro, de ânimo, de autoestima.
Será que realmente não há espaço, criatividade e forças para arranjar apenas o suficiente que lhe falta (seja tempo, seja ânimo ou outra coisa) para estudar e correr atrás de uma vida melhor?

Pense nisso! E diga para si mesmo que não aceita “não” como resposta.

E não se balize por outras pessoas. Apenas seja o melhor de si mesmo. Faça o melhor que pode hoje para alcançar seus objetivos de passar num concurso. Amanhã, faça um pouco mais, se aperfeiçoe. E depois de amanhã um pouco melhor que ontem. E assim, siga em frente construindo seu caminho de superação.

Fazendo assim, um dia você chegará lá. E pode ser que este dia não esteja tão distante se você começar hoje!

Ebook: As 8 atitudes vencedoras de concurseiros aprovados!

Coloque seu email abaixo para receber gratuitamente o Ebook

Receber Ebook

Sobre o autor
Francis Lima

Uma pessoa que energiza-se através do desenvolvimento pessoal e inspira-se através de histórias de superação. Após passar em 3 concursos, decidiu fazer a diferença na vida de outras pessoas ensinando - por meio da capacitação Segredos dos Aprovados - a metodologia de estudos que desenvolveu para ser aprovada e nomeada.